• Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

Jovem encontrada morta no litoral paulista foi asfixiada, aponta laudo

Por Redação Rápido no Ar
Os bombeiros localizaram anteontem o corpo de Julia Rosenberg, de 21 anos, em uma trilha em São Sebastião, no Litoral Norte de São Paulo. A jovem havia desaparecido na manhã de domingo, após sair para fazer uma trilha entre as praias de Paúba e Maresias.

Segundo a Polícia Civil, o corpo foi encontrado parcialmente enterrado, com folhas cobrindo a cabeça e sinais de estrangulamento. Ainda conforme a polícia, não havia sinais de violência sexual, mas a hipótese não está totalmente descartada dentro da investigação.

"O corpo foi encontrado parcialmente enterrado, com terra e folhas por cima. Havia marcas no pescoço, por isso a causa da morte teria sido asfixia. A jovem não aparentava ter outras lesões ou fraturas", disse o delegado seccional do Litoral Norte, Múcio Alvarenga.

O crime foi tipificado pela Polícia Civil como latrocínio, ou seja, roubo seguido de morte. "Diversas pessoas já foram ouvidas e estamos seguindo algumas linhas de investigação. Os pertences da vítima não foram encontrados com ela, por isso o crime foi tipificado como latrocínio", explicou o delegado Alexandre Bertolini, titular do 2º distrito policial de Boiçucanga.

Em umas das imagens obtidas pelos policiais, um homem é visto passando pelo mesmo local em que a jovem passou, cerca de 30 minutos depois dela. Segundo o delegado, trata-se de um senhor que já foi ouvido pela investigação. "Ele mora em Maresias e trabalha em Paúba, faz esse percurso quase todos os dias e não é considerado suspeito no momento."

Ainda segundo a polícia, uma das testemunhas ouvidas disse ter visto um homem de 1,70 m de altura, de cor parda, cabelo curto e vestindo calça ou bermuda marrom, camisa de mesma cor, e chinelo branco próximo ao local em que Julia foi vista e em horário aproximado. Os policiais seguem em busca de imagens que possam ajudá-los a encontrar o criminoso e aguardam o laudo oficial da perícia enquanto continuam as investigações.

De acordo com a perícia, o telefone celular, o par de tênis e uma pochete que Julia usava durante a trilha não foram encontrados junto ao corpo. A cinta da pochete foi usada para asfixiá-la e também foi encontrada uma máscara dentro da boca da jovem. Além disso, uma marmita foi achada próxima ao corpo.

Comoção
Desde que foi informado o desaparecimento da jovem Julia Rosenberg, em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo, uma onda de compartilhamentos tomou conta das redes sociais com postagens de amigos e desconhecidos em busca da estudante.

A partir do comunicado da morte de Julia, diversas homenagens foram realizadas. "Hoje o dia ficou mais triste. Perdi uma das pessoas que me acompanhou desde o primeiro dia na faculdade", escreveu um dos melhores amigos da vítima.

Jovem encontrada morta no litoral paulista foi asfixiada, aponta laudo

Por Redação Rápido no Ar
Os bombeiros localizaram anteontem o corpo de Julia Rosenberg, de 21 anos, em uma trilha em São Sebastião, no Litoral Norte de São Paulo. A jovem havia desaparecido na manhã de domingo, após sair para fazer uma trilha entre as praias de Paúba e Maresias.

Segundo a Polícia Civil, o corpo foi encontrado parcialmente enterrado, com folhas cobrindo a cabeça e sinais de estrangulamento. Ainda conforme a polícia, não havia sinais de violência sexual, mas a hipótese não está totalmente descartada dentro da investigação.

"O corpo foi encontrado parcialmente enterrado, com terra e folhas por cima. Havia marcas no pescoço, por isso a causa da morte teria sido asfixia. A jovem não aparentava ter outras lesões ou fraturas", disse o delegado seccional do Litoral Norte, Múcio Alvarenga.

O crime foi tipificado pela Polícia Civil como latrocínio, ou seja, roubo seguido de morte. "Diversas pessoas já foram ouvidas e estamos seguindo algumas linhas de investigação. Os pertences da vítima não foram encontrados com ela, por isso o crime foi tipificado como latrocínio", explicou o delegado Alexandre Bertolini, titular do 2º distrito policial de Boiçucanga.

Em umas das imagens obtidas pelos policiais, um homem é visto passando pelo mesmo local em que a jovem passou, cerca de 30 minutos depois dela. Segundo o delegado, trata-se de um senhor que já foi ouvido pela investigação. "Ele mora em Maresias e trabalha em Paúba, faz esse percurso quase todos os dias e não é considerado suspeito no momento."

Ainda segundo a polícia, uma das testemunhas ouvidas disse ter visto um homem de 1,70 m de altura, de cor parda, cabelo curto e vestindo calça ou bermuda marrom, camisa de mesma cor, e chinelo branco próximo ao local em que Julia foi vista e em horário aproximado. Os policiais seguem em busca de imagens que possam ajudá-los a encontrar o criminoso e aguardam o laudo oficial da perícia enquanto continuam as investigações.

De acordo com a perícia, o telefone celular, o par de tênis e uma pochete que Julia usava durante a trilha não foram encontrados junto ao corpo. A cinta da pochete foi usada para asfixiá-la e também foi encontrada uma máscara dentro da boca da jovem. Além disso, uma marmita foi achada próxima ao corpo.

Comoção
Desde que foi informado o desaparecimento da jovem Julia Rosenberg, em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo, uma onda de compartilhamentos tomou conta das redes sociais com postagens de amigos e desconhecidos em busca da estudante.

A partir do comunicado da morte de Julia, diversas homenagens foram realizadas. "Hoje o dia ficou mais triste. Perdi uma das pessoas que me acompanhou desde o primeiro dia na faculdade", escreveu um dos melhores amigos da vítima.
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
© Rápido no Ar ® - O que acontece você vê!